quarta-feira, agosto 23, 2006

DINHEIRO NÃO TRAZ FELICIDADE/ DINERO NO TRAE FELICIDAD/MONEY DOES NOT BRING HAPPINESS



Nossa cultura nos impõe o sentimento do acreditar que coisas materiais podem nos fazer felizes, mas a verdade é que elas nos dão apenas um prazer superficial. Prazer é diversão, não perdura, é diferente de felicidade. Precisamos dessas coisas, mas a sociedade capitalista em que vivemos cria sempre desejos para que haja sempre mais demanda. Pelo menos 75% dos produtos disponíveis hoje, são dispensáveis.
O dinheiro foi inventado para facilitar trocas entre as pessoas. O detalhe é que muitas coisas que não podiam ser medidas em termos monetários hoje tem preço. É o caso do cuidado com os filhos. As pessoas saem para trabalhar e deixam os filhos com profissionais. Outros não têm tempo nem para a amizade e, quando querem falar dos seus problemas, tem que pagar a um terapeuta.
O dinheiro virou instrumento para aferir até nosso amor-próprio.
As pessoas procuram algo que confira significado a suas vidas. E muitas das coisas que antigamente se acreditava trazer felicidade perderam poder; religião, espiritualismo, filosofia ou até mesmo arte. Todos precisamos de dinheiro, assim como do ar, de alimentos e convívio social.
As pessoas não sabem quanto dinheiro basta, porque não tem objetivo. Para piorar, as incertezas econômicas deixam as pessoas sem saber de quanto dinheiro precisam para se sentir seguras. Além do mais, quanto mais você tem, mais medo tem de perder o que possui.

O dinheiro reflete nossa imaginação, nossos desejos, necessidades e temores. Ele é nossa principal tecnologia social, por meio da qual vivemos hoje.
Se somos sugestionáveis e vulneráveis ao que dizem e pensam os outros, o dinheiro espelhará tudo isso.
A angústia que sentimos em relação ao dinheiro é reflexo da angústia que sentimos em relação a nós mesmos.
Quando temos dinheiro, começamos a satisfazer os desejos.
E descobrimos outros que já mais imaginávamos ter.
A ansiedade aumenta. Algumas pessoas sabem como desfrutar dessa situação, mas são exceções.
O dinheiro não muda as pessoas, ele traz à tona com mais força algumas características que o individua já possuía, mas estavam latentes. Alguns tornam-se arrogantes. Outros, generosos, mas tudo isso já estava dentro deles, só que não tinham chance de se expressar.
O dinheiro pode ser um instrumento de atenção, ajuda, compartilhamento.
De certa forma, ele foi inventado para isso mesmo.
Nesse sentido o dinheiro pode ser uma ferramenta formidável.
Transformar o dinheiro em nosso único objetivo, é como comer comida com gosto de plástico.
O dinheiro por si só não proporciona felicidade. Ele dá prazer, alguma sensação de segurança.
Mas com o passar do tempo, percebemos que ele não alimenta nossa alma.
Nuestra cultura impone a nosotros la sensación de la creencia que las cosas materiales nos hacen felices, pero la verdad es que ellos solamente dan un placer superficial . El placer es diversión, no dura, es diferente de felicidad. Necesitamos estas cosas, pero la sociedad del capitalismo donde vivimos crea siempre deseos de modo que tenga siempre más demanda. Por lo menos los 75% de los productos disponibles hoy, son prescindibles.
El dinero fue inventado para facilitar intercambios entre la gente.
El detalle es que muchas cosas que no se podrían medir hoy en términos monetarios tienen precio.
Es el caso del cuidado con los niños. La gente se va al trabajo y deja a niños con los profesionales.
Otros no tienen tiempo ni para la amistad y, cuando desean hablar de sus problemas, ella tiene que pagar a un therapist.
El dinero sirve incluso para valorar nuestro amor proprio.
La gente ha buscado algo que confiere significado a sus vidas. Lo que pasa es que muchas cosas que en el pasado nosotros creiamos traer felicidad, han perdido su fuerza; la religion, la espiritualidad, la filosofia y incluso la arte. Nosotros necesitamos del dinero, igual que del aire, de la comida y del convivir en sociedad.
Las personas no saben cuanto uno necesita de plata, porque no tienen objetivo. Y además la incertidumbre economica, deja uno sin saber cuanto necesita para sentir seguridad, la gente tiene miedo de perder lo que han conquistado.
El dinero es reflejo de nuestra imaginacion, de nuestros deseos y miedos.
El dinero es hoy nuetra principal tecnologia social por medio de cual vivimos.
Se nosotros somos sugestionados y vulnerables a lo que habla la gente, el dinero reflejara eso. La angustia que uno siente por el dinero es reflejo de la angustia que sentimos nosotros. Cuando tenemos dinero, suplimos nuestros deseos. E descobrimos nuevos que nosostros no imaginávamos, la ansiedad aumenta. Existen personas que saben como disfrutar la situacion, pero son excepcion. El dinero no cambia las personas, el hace aflorar caracteristicas latentes de uno. Unos se ponen arrogantes otros generosos, pero todo eso uno ya tenia dentro de uno, le faltava solo una chance para dar le la muestra.
El dinero puede ser un instrumento de atencion, ayuda, compartimiento.
Uno puede dicer que el esta hecho para eso.
En este sentido el dinero puede ser formidavel.
Transformar el dinero en nuestro unico objetivo, es igual a comer comida com sabor de plástico.
El dinero propriamente dicho no trae felicidad, el da placer, alguna sensacion de seguridad.
Pero con el pasar de los años uno siente que el no alimenta el alma.

Our culture in them imposes the feeling of believing that material things can in becoming them happy, but the truth is that they in give only one superficial pleasure to them. Pleasure is diversion, does not last, is different of happiness. We need these things, but the capitalist society where we live always creates desires so that it always has more demand. At least 75% of the available products today, are dispensable.
The money was invented to facilitate exchanges between the people.
The detail is that many things that could not today be measured in monetary terms have price. It is the case of the care with the children. The people leave to work and let the children with professionals. Others do not have time nor for the friendship and, when they want to speak of its problems, it has that to pay to a therapist.
The money turned instrument to survey until our selfishness.
The people look something that confers meant its lives.
E many of the things that old was given credit to bring happiness had lost to be able; religion, espiritualismo, philosophy or even though art.
All we need money, as well as of air, of foods and social conviviality.
The people do not know how much money is enough, because it does not have objective.
To get worse, the economic uncertainties leave the people without knowing how much money insurances need to feel themselves.
In addition, the more you have, more fear you have to lose what she possesss.
The money reflects our imagination, our desires, necessities and fears.
It is our main social technology, by means of which lives today.
If we are sugestionáveis and vulnerable to that they say and they think the others, the money to reflect everything this.
The anguish that we feel in relation to the money is reflected of the anguish that we feel in relation we ourselves.
When we have money, we start to satisfy the desires.
E we discover others that already more we imagined to have.
The anxiety increases. Some people know as to enjoy of this situation, but they are exceptions.
The not dumb money the people
it brings surface with more force some characteristics that individua already possuía, but were latent.
Some become arrogant.
Others, generous, but everything this already was inside of them, only that they did not have possibility of if expressing.
The money can be an attention instrument, helps, sharing.
Of certain form, it it was invented for this exactly.
In this direction the money can be a formidable tool.
To transform the money into our only objective, is as to eat food with plastic taste.
The money by itself does not provide happiness. It gives pleasure, some sensation of security.
But with passing of the time, we perceive that it does not feed our soul.


2 comentários:

JENNY disse...

Xico, cuánta razón tienes en este post! Yo creo que el dinero en exceso enloquece y vuelve extravagante a las personas.. las hace perder el verdadero norte de la vida. Yo misma he entrado y salido muchas veces de ese horrible círculo vicioso, pero hoy tengo lo justo para vivir. No tengo el bolsillo lleno, pero sí el corazón, haberme quedado con mis niños, renunciando a mi trabajo, me ha dado más alegría que el dinero que ganaba!

marisanblog disse...

Já dizia o Dalai Lama.


Um abraço bem sem dinheiro, Rocha.

Mari