terça-feira, novembro 09, 2010

COMO É BOM SER DO PARÁ!


Recebi o texto de uma amiga que mora na Guatemala. Não sei quem é o autor pois só vem o nome eli no final.
Verdade é que o texto retrata muito bem o paraensismo que existe em mim e do qual eu tenho muito orgulho.


Tem coisas que só paraense, seja ele de nascimento ou por adoção, sabe o que é:
passar numa esquina, e salivar só de sentir o cheiro
do tucupi fervendo para o tacacá. Empinar "papagaio" ou fazer
pacientemente, com talinhas de palmeira e papel de seda uma "curica" pros filhos brincarem.

Paraense joga peteca, e não bolinha de gude, tem seguro contra as mangas que quebram os pára-brisas dos carros, pena que não tem seguro pra cabeça,
eu mesma quase já fui alvo delas...

Paraense conhece mato, marés, conta estória do boto, moço bonito, mas com um "pitiú" de peixe, que mesmo assim,encanta
as moçoilas mais desavisadas nas noites de lua cheia. Não sabe o que é "pitiú"? O paraense sabe!

Paraense é carinhoso, chama todo mundo de mano, mana, maninho, fica logo amigo faz almoço, jantar, põe logo dentro de casa, eita povo hospitaleiro!
Fala se não é ?.

Por aqui tomamos açaí pra dormir a sesta, com farinha d'água ou de tapioca, com açúcar ou sem, com charque, pirarucu ou sem nada só ele purinho, bom que só!
...
Paraense tem alto verão em julho quando a maioria do Brasil morre de frio e nós por aqui bronzeadérrimos, acentuando a
beleza de nossa morenice!

Festa é com a gente mesmo! Em todo o canto tem um violão, uma música legal, um carimbó, uma guitarra, um "treme terra",
botando todo o mundo pra dançar.

Paraense quando não tem nada pra fazer vai pra beira do rio ver o
pôr do sol vermelho e os "pô-pô-pôs" passarem.

Quando está estressado... ata uma rede na sacada de casa e fica lá de pezinho pra fora balançando a rede e esfriando a cabeça.
...

Paraense vai ao Ver-o-Peso, compra ervas, faz chá, banho de cheiro, uma delícia!
...
Somos orgulhosos por sermos assim essa mistura morena, brejeira e gostosa, por sermos autênticos, pela cultura que temos, por nosso sangue índio que a tantos outros se misturou e que a nós nos faz muito,
mas muito especiais"!

6 comentários:

as-nunes disse...

Olá Xico. Há quanto tempo!

Venho do sítio do Pedro Nelito e deparei-me lá com referências ao Pará.
E aqui estou novamente a ler sobre o Pará. A sensação com que se fica é a de que o stress por aí não será coisa para pegar!

Por coincidência recebi hoje mesmo um livro em que se fala sobre Viseu-Pará. Mandaram-mo pelo correio. Veio da minha terra natal: Viseu de Portugal.
Já dei uma espreitadela.
Vou ler o que há por aí de tão especial.

Espero que esteja tido bem contigo
Um abraço
António

Xico Rocha disse...

Meu querido Antônio, temos muitas cidades aqui na nossa região cujos nomes advém dai do além mar.
É o caso de Santarém, Aveiro, Viseu como bem o dizes e tantas outras.
Mas o que temos mesmo de especial é o nosso inconfundível jeito paroara, nossa hospitalidade, o cheiro da nossa cidade que é muito próprio, nossas praias de rios cujas ondas encantam e intrigam aos visitantes.
É é claro umas morenas roliças cujas formas encantou a maioria dos galegos que por aqui aportaram.
Encantos próprios que lhe convidamos conhecer, será um imenso prazer te-lo aqui conosco.
Abraços
Xico Rocha

J. Pinto disse...

Sr. Rocha,
Não estás a delirar?
As morenas não são tão roliças como dizes, mas morenas belas.
abs

Xico Rocha disse...

Meu querido J.Pinto, quando digo roliças, é forma carinhosa de descrever as formas arredondadas e belas das mesmas.
Abs

ronaldo sarmento disse...

xico, boa tarde, faço parte de um grupo folclórico junino e temos como tema coisas do meu pará, gostariamos que nos autorizasse a utilizar a imagem do pará como coração como nossa divulgação, garantindo a você é claro os creditos por ela. colocamos a disposição para mais informações em nosso orkut: gdafest@hotmail.com, agradecido.
ronaldo sarmento

odineia disse...

Como é bom, ler coisas assim sobre nós mesmos, estou longe, mas sempre muito perto.obrigada